Sempre gostei muito dessa parte do desenho de Alice de 1951: o diálogo a seguir ocorre depois que o gato se apresenta a Alice:

Alice: “Eu só queria saber que caminho tomar.”

Gato: “Isso depende do lugar aonde quer ir.”

Alice: “Oh, realmente não importa desde que eu.”

Gato: “Então não importa que caminho tomar…”

Acho muito significativa essa parte, por que se você não tem definido para onde quer ir realmente qualquer caminho vale. Essa lógica vale tanto para o âmbito pessoal como para o contexto organizacional.

A realização de um Plano Diretor de Informática serve a esse propósito: definir o objetivo organizacional a ser alcançado e o caminho a ser percorrido. Nesse sentido ele desempenha um papel muito importante para o gestor de TI que é construir consenso sobre as prioridades organizacionais, levando-se em conta as restrições existentes e os planos estratégicos da empresa.

Assim, dentro do contexto do framework de Governança de TI, um PDTI bem feito tem o efeito de arregimentar as energias organizacionais, diminuir os atritos entre as áreas e facilitar a vida do Gestor de TI.

Quais são os fatores críticos de sucesso para um PDTI efetivo?

Um dos aspectos críticos na realização de um PDTI é o método pelo qual são definidas as necessidades organizacionais e de cada área.

Existem vários instrumentos que podem ser utilizados para tanto, tais como o BSC corporativo, o plano estratégico de negócio, dentre outros existentes no framework de Governança de TI.

Uma abordagem que se mostra bastante efetiva é o entendimento da estratégia corporativa, seguida de uma avaliação da cadeia de valor e de uma análise da forma como a estratégia definida irá afetar no presente e no médio e longo prazo essa cadeia e o modelo de negócio.

A partir dessa discussão, é então possível verificar qual o nível de automação atual da cada etapa, quais as funcionalidades de TI possíveis de serem utilizadas para melhorar o desempenho daquela etapa e consequentemente os GAPS existentes.

Esses gaps serão o objeto dos projetos a serem realizados.

Framework de Governança de TI: Papel de TI na Inovação

Um aspecto importante de ser discutido é o papel de TI na sugestão e implementação de melhorias. A área pode exercer um papel importante no sentido de propor inovações para a Organização baseadas em novas tecnologias que têm conhecimento.
Assim, nas discussões sobre a estratégia e a cadeia de valor, os profissionais de TI podem trazer sugestões que aliem o conhecimento da empresa e das novas tendências e tecnologias emergentes ou existentes.

Isso requer, no entanto, duas competências essenciais: a capacidade de entender e pesquisar o mercado de tecnologia, por um lado, e a utilização do conhecimento de negócio existente na área de TI, por outro.

Com efeito, tenho clientes nos quais grande parte do conhecimento de negócio estar em TI. Empresas que contém um conhecimento sobre os processos e regras de negócio muito rico na equipe de TI que é constantemente cobrada em relação ao fornecimento de treinamento, fornecimento de sugestões, ajuda em relação a melhoria do processo entre outros.

A realização de um PDTI pode ser um momento único no sentido de combinar esse conhecimento existente com o conhecimento de tecnologias emergentes e colocar na mesa sugestões como plataformas para a construção de melhorias organizacionais.

Framework de Governança de TI: PDTI – consistência da análise

Finalmente um terceiro aspecto importante é realizar uma avaliação completa dos impactos dos projetos em relação a pessoas, infraestrutura, custos e despesas, necessidades de novos serviços e assim por diante.

Uma análise completa nesse sentido traz ao CIO maior segurança em relação a obtenção dos recursos necessários e à construção de consenso sobre as prioridades. Quanto mais a discussão for efetivamente baseada na estratégia corporativa mais efetiva tende a ser o PDTI.

O Gato em muitos mitos é o animal que consegue transitar entre dois mundos, concretizando a ligação entre eles. Um PDTI consistente, no qual TI desempenha um papel ativo na construção das alternativas e do qual se constrói um consenso organizacional exerce esse papel de canal para transitar para um futuro no qual TI é um diferencial competitivo ainda mais forte.